APAMT

LOGIN PARA ASSOCIADOS

  • Curta nossa página no Facebook
  • Siga-nos no Instagram

Notícias

Estudo com cloroquina é interrompido após efeitos colaterais em pacientes

15/04/2020 10:51:11

Um estudo brasileiro com a cloroquina foi interrompido precocemente, por motivos de segurança, depois que pacientes sentiram efeitos colaterais ao tomar uma dose mais alta do remédio, de acordo com informações publicadas pelo jornal “The New York Times”.

Segundo a publicação, a pesquisa envolveu 81 pacientes com coronavírus hospitalizados em Manaus (AM), e foi realizada pela Equipe CloroCovid-19, formada por cerca de 26 cientistas de várias instituições.

Um artigo sobre o resultado do estudo foi publicado no sábado no MedRxiv, uma plataforma on-line de artigos médicos, antes de ser submetido à revisão por outros pesquisadores.

No artigo, eles destacam que “nosso estudo teve como objetivo avaliar de forma abrangente a segurança e eficácia de duas dosagens diferentes de CQ em pacientes com covid-19 [doença provocada pelo coronavírus]”.

Então, aproximadamente metade dos participantes do estudo recebeu uma dose de 450 miligramas de cloroquina duas vezes ao dia por cinco dias, enquanto o restante recebeu uma dose maior de 600 miligramas por 10 dias.

Em três dias, os pesquisadores perceberam arritmias cardíacas em pacientes que tomavam a dose mais alta. No sexto dia de tratamento, 11 pacientes haviam morrido, pondo fim ao estudo, segundo o “NYT”.

Em fevereiro, uma pesquisa realizada em mais de dez hospitais chineses, de Wuhan —onde a epidemia começou—, Pequim e Xangai, utilizou 500 miligramas de cloroquina por dia durante dez dias.

Em e-mail enviado ao jornal americano, Marcus Lacerda, um dos autores envolvidos no estudo brasileiro, explicou que a sua pesquisa descobriu que “a alta dosagem que os chineses estavam usando é muito tóxica e mata mais pacientes”.

“Essa é a razão pela qual este ramo do estudo foi interrompido mais cedo”, disse ele.

O estudo foi “financiado pelo governo do estado do Amazonas, Farmanguinhos (Fiocruz), SUFRAMA, CAPES, FAPEAM e fundos federais concedidos por uma coalizão de senadores brasileiros”.

OMS diz que ainda não existe eficácia comprovada

Michael Ryan, diretor de operações da OMS (Organização mundial da Saúde), afirmou que não existem ainda “evidências empíricas” de que a cloroquina funcione para lidar com o covid-19. Mas a agência colocou o remédio em sua bateria de testes pelo mundo e aguarda os resultados para poder recomendar oficialmente.

A declaração foi feita nesta segunda-feira, durante a coletiva de imprensa da OMS, em Genebra (Suíça), em resposta a uma pergunta do UOL.

Ele explicou que o medicamento está sendo introduzido em testes realizados e pesquisas pela OMS ao redor do mundo. Mas afirmou que, por enquanto, não existem resultados de testes provando que a substância funcione contra o coronavírus. Ele também pediu cautela sobre os efeitos colaterais que o remédio pode ter. “Estamos ansiosamente esperando resultados”, disse.

Controvérsias

Defendida pelos presidentes Donald Trump e Jair Bolsonaro (sem partido) como uma possível cura para a covid-19, a cloroquina – ou sua variante, a hidroxicloroquina – é indicada para o tratamento da malária, mas tem sido testada em pacientes com coronavírus embora sem comprovação científica da eficácia do medicamento nesses casos.

No Brasil, o uso da cloroquina é uma das principais divergências entre o presidente Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta – que tem pedido cautela no uso da cloroquina. Em pronunciamento transmitido em cadeia nacional na noite de quarta-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento doa Covid-19.

Fonte: UOL

 

voltar

 

hidea.com - agência web
Copyright © APAMT | Todos os direitos reservados.